Guamaré: Operação apura fraudes em contratos da Câmara Municipal e prende 11 pessoas


O Ministério Público do RN (MPRN) deflagrou nesta segunda-feira (27) a operação 10º Mandamento, que apura fraudes em contratos públicos da Câmara Municipal de Guamaré.
O vereador Emilson de Borba Cunha (foto) e outras dez pessoas foram presas por suspeita de terem cometido os crimes de peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, fraude a licitações e ocultação de bens e valores.
Além dos 11 mandados de prisão, com o apoio da Polícia Militar, foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados e na sede do Poder Legislativo de Guamaré.
As investigações da operação 10º Mandamento foram iniciadas em maio do ano passado e tratam de crimes cometidos entre 2017 e 2018, período em que Emilson de Borba Cunha, conhecido por Lula, era presidente da Câmara Municipal de Guamaré.
Ademais, foi verificada a continuidade da prática dos crimes, mesmo após esse período, se estendendo até os dias atuais.
Além dele, foram presos preventivamente Júlio César Costa de Oliveira, ex-diretor-geral da Câmara; Júlio César Cerqueira de Oliveira, ex-chefe de Departamento de Almoxarifado e presidente da Comissão de Licitações; e, os empresários Rogério Soares de Lima e Leandro Régis da Silva.
Foram presos temporariamente: Geraldo de Morais Lima, José Wilton Belarmino do Nascimento, Mônica da Silva Barros de Oliveira, Adeilson da Silva Miranda, Priscilla Laurindo da Silva e Ana Paula da Silva.
A operação 10º Mandamento contou com a participação de 23 promotores de Justiça, 53 servidores do MPRN e ainda 97 policiais militares.
Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram cumpridos nas cidades de Natal, Guamaré, Parnamirim e Extremoz.
O MPRN levantou que o grupo agia de forma estruturalmente ordenada com objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagens indevidas derivadas da prática dos crimes de peculato, de corrupção passiva, de desvios de verbas feitos por meio de contratos superfaturados celebrados através de licitações fraudulentas.
As investigações apontam que, sistematicamente, parte do dinheiro público destinado pela Câmara Municipal às empresas acabava indo para as contas bancárias dos chefes do esquema.
Emilson de Borba atuava como mentor intelectual da organização em razão do alto cargo que ocupava.
Ele ordenava a produção dos processos licitatórios fraudulentos e a comunicação com os empresários ganhadores das licitações, dispensas ou inexigibilidades fora das hipóteses legais, tendo, em várias oportunidades, sido usado como referência para concretização dos negócios ilegais.
Para cometer os delitos, a organização criminosa, além de ser formada por agentes públicos, era estruturada por “empresários” que criaram empresas “fantasmas”, que não possuíam em seus registros dados sobre funcionários ou veículos.
A investigação revelou que a maioria dos “empresários” ganhadores das licitações tinha vínculo afetivo ou familiar com funcionários da Câmara Municipal de Guamaré.
A íntegra da matéria, veiculada pelo portal virtual do MPRN, pode ser acessada AQUI.
 
 
 
  Publicidade


Armarinho Macau,lojas 1 e 2 tudo em um só lugar, artigos de cama mesa e banho, confecções em geral, a moda de todas as estações,  bolsas, calçados, eletro eletrônico, material escolar e muito mais, rua professor Coimbra em frente ao mercado público de Macau, empresa do grupo Elísio Filho e Jane Maria

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto
 

Nenhum comentário