Cinco membros de facção criminosa são transferidos para penitenciária federal


Cinco presos integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), e que são apontados como líderes da rebelião que aconteceu na Penitenciária estadual de Alcaçuz ocorrida no dia 14 de janeiro, foram transferidos da Central de Flagrantes da Polícia Civil para uma Penitenciária Federal, na manhã desta terça-feira (31).
O trabalho de transferência foi realizado por agentes penitenciários, policiais militares e policiais civis. Participaram da ação integrantes do Grupo de Escolta Penal (GEP), Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), Batalhão de Polícia de Choque, Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas (ROCAM) e Comando de Polícia Rodoviária Estadual (CPRE).
Os presos transferidos são Cláudio Candido do Prado, de 37 anos; Tiago de Souza Soares, de 30 anos; Paulo da Silva Santos, de 42 anos; Jose Francisco dos Santos, de 30 anos e Paulo Márcio Rodrigues de Araújo, de 31 anos.
Os cinco detentos foram indiciados pela Polícia Civil por todos os 26 homicídios cometidos dentro do presídio, pelos crimes de dano público, lesão corporal, vilipêndio de cadáver e associação criminosa.

Quem são os detentos transferidos:

1) José Cláudio Candido do Prado: Ele foi condenado a 75 anos de prisão pela prática dos crimes de homicídio, roubo e tráfico de drogas. José Cláudio é do Estado de Mato Grosso.
2) Tiago de Souza Soares: Condenado a 38 anos e seis meses pela prática dos crimes de homicídio e tráfico de drogas.
3) Paulo da Silva Santos: condenado a 32 anos pelos crimes de extorsão e tráfico de drogas.
4) João Francisco dos Santos: condenado a 39 anos por ter matado o jornalista F Gomes.
5) Paulo Márcio Rodrigues de Araújo: é preso provisório, ainda não foi condenado. Ele é da cidade de Ipanguaçu.
 
 
 

O Grande Jornal O mais completo noticioso da cidade, de segunda a sexta apartir das 8.00hs da manhãn, na Macau FM 94, apresentação Jota Lourenço

 Confecções, cintos bolsas calçados, eletro eltronico e muito mais, rua Amaro Cavalcante cem frente ao  CCAB
 


 


Nenhum comentário