Quatro fogem do Centro de Detenção Provisória de Macau, durante a madrugada

Resultado de imagem para FOTO DOS QUATRO PRESOS QUE FUGIRAM ONTEMDO CDP DE MACAU

Quatro presos fugiram do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Macau, na região da Costa Branca potiguar. A fuga aconteceu durante a madrugada desta quinta-feira (14).
Segundo a agente penitenciária Maria das Graças Viana Rocha, diretora da unidade, fugiram:

1 - Adriano Santos da Silva, também chamado de ‘Oião’;
2 - Francisco Tiego Maria dos Santos;
3 - Meliciano Cardoso Gomes;
4 - Josenilson da Silva Almeida, mais conhecido como Paiacã.


Grande fugas
Nesta terça-feira (12) foi registrada a maior fuga do sistema prisional potiguar: 46 detentos escaparam da Cadeia Pública de Natal. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, apenas sete foram recapturados até o momento.




 Drogaria Timoneiros, compromisso com a sua saúde, rua Ruy Barbosa por tráz do ginásio de esportes,  agora com sua filial no CCAB em Macau, onde funcionou o aliment,s Rstaurante  Fones 3521 2300 ou 99965-0048 

 

“Limpeza do Rio Açu foi fundamental para fazer água chegar a quem dela precisa”, diz Procurador Victor Queiroga


limpeza_acu
Na tarde desta quarta-feira (13) o Procurador do Ministério Público Federal, Dr. Victor Albuquerque Queiroga fez questão de visitar a calha do Rio Açu, para conferir de perto a conclusão da limpeza do referido Rio, através da parceria entre o Comitê da Bacia Hidrográfica do Piancó/Piranhas/Açu, Agência Nacional das Águas, Ministério Público Federal, CAERN, IBAMA, ADESE, IGARN e prefeituras de Assu, Ipanguaçu, Alto dos Rodrigues e Pendências. Graças a essa limpeza, mais de 50 mil pessoas da região voltam a ter água em suas torneiras.
O procurador gostou do resultado. “Foi uma limpeza muito importante para a região. Locais aonde antes não se chegava agua, hoje já tem uma lamina d’água até de altura considerável, e isso mostra que a limpeza foi imprescindível para retomar o curso de água do Rio, e fazer com que essa água retorne a chegar as pessoas que fazem uso dela”, destacou.
A CAERN vinha enfrentando muitas dificuldades para captar a água no Rio, antes da realização da limpeza. Quem atesta é o gerente-regional da Companhia, Antônio de Pádua. “Nós estávamos com uma dificuldade muito grande, já que a água não chegava à nossa captação. Agora tudo mudou com a limpeza do Rio. E o resultado da limpeza é que antes tínhamos uma lâmina com 0,40 e hoje ela está com 1,32”.

Nenhum comentário